Sunday, November 22, 2009

CS... digo D-EGJD

Charlie Sierra... err digo, Delta Echo Golf Juliet Delta request start up! - foi assim que começou o meu dia, basicamente a meter logo os pés pelas mãos. Afinal não é todos os dias ainda em curso que apanhamos uma aeronave de matrícula estrangeira, se bem me lembro na minha escola esta é a única, claro está que o "Charlie Sierra" saiu já com a naturalidade de outros dias.

Mas afinal? O que é o D-EGJD?

Esta aeronave é um Reims Rocket FR172J, por míudos é um Cessna 172J fabricado sob licença pela Reims Aviation France. Esta aeronave era até hoje totalmente desconhecida em termos de voo e por isso esta navegação por mim realizada teve um piloto de segurança e verificador para verificar a minha aptidão e adaptação à nova aeronave.
O Rocket como lhe chamamos na escola é isso mesmo que o nome indica, um pequeno Rocket, pois trata-se de uma aeronave de 2+2 lugares com opção de uma 3ª fila para crianças muito pequenas, muito mesmo, é uma aeronave de asa alta como os demais Cessnas da época e neste caso preparado para reboque de manga publicitária. Compreende em pouco mais de 8 m de cumprimento e 11,15 m de envergadura de asa, com um motor Continental de 210 hp. Equídeos a vapor esses que no início da rolagem para descolar nos empurram contra o banco e impulsionam todo o conjunto para o ar com bastante força. Dando a esta pequena maravilha razões de subida elevadas. Gostei sobretudo da suavidade dos comandos e da resposta.
Após três aterragens em três aeródromos diferentes, Évora, Portimão e Tires, confesso que me tornei fã deste pequeno, que embora não tendo aquele aspecto bonito tipo o TB-10 nem a rapidez do Mooney, mostra-se muito competente, fácil de voar e dócil, com ele já é possível a criação de planeamentos de navegação consideravelmente maiores pois as velocidades de cruzeiro situam-se cerca de 20 kts acima dos 152, permitindo mais distância percorrida no mesmo tempo. Mal posso esperar pelo próximo voo neste menino!

Ah! A melhor notícia foi que o instrutor que me fez a verificação, considerou-me apto para voar a aeronave solo. :)


Finalmente... um vôo!

Já ia longe o dia 31 de Outubro, dia do meu último voo, na altura mais uma missão SPIC (Student Pilot in Command), no TB-10 CS-DDT. Todos os voos marcados entretanto eram cancelados por algum motivo alheio à minha pessoa, na sua maioria eram cancelados por motivos meteorológicos. Eu sei que até estiveram entretanto um ou dois dias de bom tempo, mas a verdade é que não eram os dias dos meus voos, porque será? Acho que tenho de acertar contas com o meu amigo Pedro, de profissão, Santo.

Finalmente lá voei hoje, como disse, e voei em grande, desta vez foi uma navegação VFR a sair de Tires até Évora, após Évora segui para Portimão, aeródromo onde foi a Fuel Stop, para seguir de Portimão para Tires e de volta a casa.
A navegação correu conforme planeado e o tempo até estava bastante agradável, apesar das nuvens entre 3000 e 3500 pés e juntar a alguma neblina a sul, junto a serra de Monchique. No final contaram-se mais 04:30 de voo para a caderneta, um pouco mais de experiência, e um novo avião. hihihi. :)